Pular para o conteúdo principal

OSCAR 2018!!

Equipe de Últimos Homens em Aleppo, indicado a Melhor Documentário, é impedida de ir à cerimônia
http://www.adorocinema.com/noticias/filmes/noticia-137903/

Donald Trump proíbe a entrada de sírios nos Estados Unidos.

Em 2017, o diretor iraniano Asghar Farhadi foi impedido de comparecer à cerimônia do Oscar - da qual O Apartamento, seu filme, saiu vencedor do troféu de Melhor Filme Estrangeiro - por causa do impedimento de entrada de muçulmanos nos Estados Unidosdecretado pelo presidente Donald Trump. E um ano depois, a situação se repete: de acordo com informações do The Hollywood Reporter, parte da equipe de Últimos Homens em Aleppo, produção síria indicada ao prêmio de Melhor Documentário, também não poderá estar presente na grande noite da premiação da Academia.
"Kareem Abeed, meu produtor e coindicado, não poderá vir aos Estados Unidos por causa da restrição de viagem imposta por Trump. A não ser por um milagre, Abeed não estará no Oscar comigo. Somos artistas e tudo o que queremos é compartilhar nossas histórias. É muito triste o fato de que ele não terá a oportunidade de compartilhar a dele", declarou o diretor Feras Fayyad, em entrevista ao The Hollywood Reporter. Além de Abeed, Mahmoud Al-Hattar também não poderá deixar a Síria; ele é um dos fundadores da Defesa Civil Síria, ou os "Capacetes Brancos", organização voluntária que tem como objetivo resgatar e salvar vidas de cidadãos sírios vitimados pela guerra civil local e que é o foco principal de Últimos Homens em Aleppo.
Tanto Al-Hattar quanto Abeed estão aguardando a permissão do governo sírio para que eles possam viajar para a América do Norte; no entanto, segundo Fayyad - que também nasceu na Síria, mas reside nos Estados Unidos -, a administração de Bashar al-Assad vai embolar o meio-de-campo tanto quanto Donald Trump. De acordo com o realizador, o presidente da nação médio-oriental considera os Capacetes Brancos como uma organização terrorista e, portanto, dificilmente concederá vistos para Al-Hattar e Abeed. De qualquer forma, a equipe de Últimos Homens em Aleppo, por intermédio da Academia do Oscar, está tentando contornar o bloqueio imposto por Trump.
Em entrevista exclusiva ao AdoroCinema, Fayyad, que foi preso por Assad por causa de seu filme anterior, declarou que decidiu rodar Últimos Homens em Aleppo para descobrir "o que significa ser uma pessoa na horrenda Guerra da Síria". O longa foi aclamado ao redor do mundo - 100% de aprovação da crítica no Rotten Tomatoes - e disputará o Oscar de Melhor Documentário ao lado de Visages, VillagesAbacus - Pequeno o Bastante para CondenarStrong Island e Ícaro. Os prêmios da Academia serão entregues no dia 4 de março - relembre a lista completa de indicados e acompanhe a cobertura do AdoroCinema!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

DIA INTERNACIONAL DA SÍNDROME DE DOWN

Professora Débora, que tem síndrome de down, à desembargadora: Ensino às crianças “que tenham respeito pelas outras” Débora Araújo Seabra de Moura tornou-se a primeira professora brasileira com síndrome de down. Ela já publicou um livro, Débora Conta Histórias, que traz fábulas sobre o direito de ser diferente. Segundo a Tribuna do Norte, faz 13 anos ela trabalha como professora assistente na Escola Doméstica, de Natal. Foi a notícia de que o Brasil tinha professora com síndrome de down que levou a desembargadora Marília Castro Neves, do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, a fazer uma postagem num grupo fechado do Facebook. Marília é a mesma que escreveu que a vereadora Marielle Franco, assassinada no Rio, era “engajada com bandidos” e teria sido eleita pelo Comando Vermelho. Depois disso, internautas foram atrás de outras postagens de Marília. E encontraram esta, a um grupo fechado do Facebook:  “Voltando para a casa e, porque vivemos em uma democracia, no rádio a única opção é a V…

PODERIA SER EM CAMPINA GRANDE!!

Onde foi que eu errei?CARLOS MOTTA SEX, 05/10/2018 - 18:47 Onde foi que eu errei?, por Carlos Motta Posso estar enganado, mas acho que uns 80% dos meus amigos, colegas e conhecidos de infância, adolescência e de jovem adulto da Jundiaí onde me criei, vão votar neste domingo no candidato presidencial que odeia homossexuais, negros e nordestinos, faz apologia à tortura, glorifica a ditadura militar, despreza a cultura e as artes, é a favor da venda indiscriminada de armas de fogo, pensa que o sexo feminino é inferior ao masculino, quis cometer atentados terroristas quando servia ao Exército, e enriqueceu, de modo mais que suspeito, depois que virou político, não apenas a si próprio, como a toda a sua família. Jornais de todo o mundo civilizado têm alertado que a sua vitória representaria um gigantesco retrocesso ao processo civilizatório brasileiro e à incipiente democracia que o país vive. Desde jovem, talvez sob a influência de meu pai, o saudoso capitão Accioly, carrego uma profunda o…

MUSEU: TRAGÉDIA ANUNCIADA

Em 2017, mais brasileiros foram ao Louvre, em Paris, do que ao Museu NacionalRafael BarifouseDa BBC News Brasil em São Paulo
Museu Nacional teve menos visitantes em 2017 do que o número de brasileiros que visitou o Museu do Louvre no mesmo ano. O Museu Nacional registrou 192 mil visitantes em 2017, segundo informou a assessoria de imprensa da instituição à BBC News Brasil. No mesmo período, 289 mil brasileiros passaram pelo Louvre, em Paris, na França, uma das principais instituições de arte do mundo, segundo registros do próprio museu. O número de brasileiros que visitaram o museu francês é 50,5% superior à visitação total da instituição brasileira.  O Louvre teve um aumento de 82% do número de visitantes do Brasil no ano passado em relação a 2016. Foi o segundo maior crescimento de público de um determinado país - os russos lideram com 92%. Os brasileiros foram a terceira nacionalidade que mais visitou a instituição, atrás apenas de americanos e chineses. Representaram 3,5% dos 8…