Pular para o conteúdo principal

ANOTEM O NOME DO JUIZ!!

Pai espanca filha que perdeu virgindade e é 

absolvido: "correção física"... 

Amanda Serra
Do UOL, em São Paulo
17/09/2017 16h18
Getty Images

Um pai que espancou a filha de 13 anos com um fio elétrico após descobrir que a adolescente tinha perdido a virgindade com o namorado foi inocentado. Para o juiz Leandro Jorge Bittencourt Cano, do Juizado de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher de Guarulhos (SP), o progenitor quis apenas corrigir a garota. “O agente aplicou moderadamente uma correção física contra a sua filha, gerando uma lesão de natureza leve. Ele também disse que caso tivesse um filho e ele cometesse o mesmo ato que a menina, tomaria a mesma postura”, justificou o magistrado na sentença. O caso ocorreu em 20 de janeiro de 2016, mas só foi julgado agora.
No entanto, os golpes deferidos com o cabo de uma TV geraram oito lesões nas costas da vítima de até 22 centímetros. E, além disso, a garota também teve o cabelo cortado com uma tesoura pelo pai que não gostou da repercussão sobre a perda da virgindade da jovem na escola. “Quanto ao corte, ao que tudo indica, a finalidade do réu não era de humilhar a filha. A intenção dele era que a filha não saísse de casa”, avaliou o juiz.
O Ministério Público, responsável pela denúncia, defende que o caso se trata de uma violência de gênero. Para o órgão, o pai ultrapassou os limites de correção e quis impor uma vontade sua e tratou a jovem como um “mero objeto”, alguém que não agiu por vontade própria. “Está claro que as agressões perpetradas pelo denunciado contra a vítima ocorreram em face da desvantagem física desta, aliada à sua vulnerabilidade”, aponta o Ministério no processo. 

Promotora analisa com indignação o caso

Promotora de Justiça do Ministério Público do Estado de São Paulo e uma das maiores ativistas de causas femininas, Gabriela Manssur vê como retrocesso a atitude do juiz Leandro Jorge e defende que a sentença favorável ao agressor corrobora com a ideia inaceitável de culpabilização da vítima.
“Já tive um caso parecido, denunciei como tortura e houve a prisão do agressor. As decisões nesse sentido demonstram total falta de perspectiva de gênero, de respeito à integridade física e psíquica das mulheres.” 
Ainda de acordo com a promotora, não é porque se trata de uma adolescente que ela pode ser espancada por seu responsável. “Esse tipo de decisão causa um impacto social expressivo: de um lado a indignação da sociedade com a Justiça e de outro a sensação de que a Justiça não protege as mulheres e ainda incentiva a prática de crimes contra elas, fazendo com que impere a impunidade. O que a Justiça não enxerga, as mulheres sentem”, analisa Gabriela.
“Nós, promotoras de Justiça, estamos nos mobilizando para juntar todas as decisões que demonstram preconceito, discriminação e falta de preocupação com a questão de gênero e de proteção às mulheres para encaminharmos ao Tribunal de Justiça do Estado de SP exigindo providências. A independência funcional não pode ser um escudo que impeça o acesso à Justiça para todas as mulheres, principalmente se tratando de magistrados e magistradas que atuam nas varas de violência doméstica e familiar contra as mulheres”, conclui a promotora.
 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

DIA INTERNACIONAL DA SÍNDROME DE DOWN

Professora Débora, que tem síndrome de down, à desembargadora: Ensino às crianças “que tenham respeito pelas outras” Débora Araújo Seabra de Moura tornou-se a primeira professora brasileira com síndrome de down. Ela já publicou um livro, Débora Conta Histórias, que traz fábulas sobre o direito de ser diferente. Segundo a Tribuna do Norte, faz 13 anos ela trabalha como professora assistente na Escola Doméstica, de Natal. Foi a notícia de que o Brasil tinha professora com síndrome de down que levou a desembargadora Marília Castro Neves, do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, a fazer uma postagem num grupo fechado do Facebook. Marília é a mesma que escreveu que a vereadora Marielle Franco, assassinada no Rio, era “engajada com bandidos” e teria sido eleita pelo Comando Vermelho. Depois disso, internautas foram atrás de outras postagens de Marília. E encontraram esta, a um grupo fechado do Facebook:  “Voltando para a casa e, porque vivemos em uma democracia, no rádio a única opção é a V…

PODERIA SER EM CAMPINA GRANDE!!

Onde foi que eu errei?CARLOS MOTTA SEX, 05/10/2018 - 18:47 Onde foi que eu errei?, por Carlos Motta Posso estar enganado, mas acho que uns 80% dos meus amigos, colegas e conhecidos de infância, adolescência e de jovem adulto da Jundiaí onde me criei, vão votar neste domingo no candidato presidencial que odeia homossexuais, negros e nordestinos, faz apologia à tortura, glorifica a ditadura militar, despreza a cultura e as artes, é a favor da venda indiscriminada de armas de fogo, pensa que o sexo feminino é inferior ao masculino, quis cometer atentados terroristas quando servia ao Exército, e enriqueceu, de modo mais que suspeito, depois que virou político, não apenas a si próprio, como a toda a sua família. Jornais de todo o mundo civilizado têm alertado que a sua vitória representaria um gigantesco retrocesso ao processo civilizatório brasileiro e à incipiente democracia que o país vive. Desde jovem, talvez sob a influência de meu pai, o saudoso capitão Accioly, carrego uma profunda o…

MUSEU: TRAGÉDIA ANUNCIADA

Em 2017, mais brasileiros foram ao Louvre, em Paris, do que ao Museu NacionalRafael BarifouseDa BBC News Brasil em São Paulo
Museu Nacional teve menos visitantes em 2017 do que o número de brasileiros que visitou o Museu do Louvre no mesmo ano. O Museu Nacional registrou 192 mil visitantes em 2017, segundo informou a assessoria de imprensa da instituição à BBC News Brasil. No mesmo período, 289 mil brasileiros passaram pelo Louvre, em Paris, na França, uma das principais instituições de arte do mundo, segundo registros do próprio museu. O número de brasileiros que visitaram o museu francês é 50,5% superior à visitação total da instituição brasileira.  O Louvre teve um aumento de 82% do número de visitantes do Brasil no ano passado em relação a 2016. Foi o segundo maior crescimento de público de um determinado país - os russos lideram com 92%. Os brasileiros foram a terceira nacionalidade que mais visitou a instituição, atrás apenas de americanos e chineses. Representaram 3,5% dos 8…