Pular para o conteúdo principal

SUPREMACIA BRANCA!!

Robert E. Lee, Harper Lee e os supremacistas brancos

Retirada de estátua de confederado não é a principal motivação para os atos em Charlottesville, ensinam os livros da autora

General Lee
No sábado 13, os supremacistas reuniram-se ao redor da estátua do general Lee
“O que fez o desorganizado e pequeno Exército Confederado ser o último de sua espécie? O que fez ele tão fraco, mas também tão poderoso a ponto de realizar milagres?”, indaga tio Jack a Jean Louise Finch. “Robert E. Lee?”,  responde em dúvida a sobrinha, citando o principal general do polo escravista da Guerra Civil norte-americana. “Meu Deus, garota!”, rejeita ele. “Era um exército de indivíduos! Eles saíam de suas fazendas direto para a guerra.”
Visto sob os escombros do ato supremacista branco em Charlottesville, no sábado 12, o diálogo entre os personagens do livro Vá, Coloque um Vigia (Go Set a Watchman), da escritora Harper Lee, é atual e didático, especialmente quando completado pela reflexão seguinte de Jack Finch: “Certa como o tempo, a história está se repetindo”.
O personagem de Harper Lee comparava o “exército de indivíduos” da Guerra Civil da década de 1860 com a Klu Klux Klan, organização supremacista que ganhava força nos anos 1950. O movimento recrutava inúmeros adeptos em defesa da segregação racial enquanto prestava continência à luta do sul norte-americano pela manutenção da escravidão no país no século XIX. O general Lee lembrado por Jean Louise era uma inspiração para os encapuzados, reunidos pelo raivoso incômodo com a tímida ascensão social negra nos anos seguintes à Segunda Guerra Mundial.
Celebrada por supremacistas brancos em diferentes períodos da história norte-americana, a memória dos confederados voltou a ser o estopim para a expressão do ódio racial branco nos Estados Unidos. O ato “Unite the Right”, em Charlottesville, foi motivado após a decisão do conselho da cidade de remover uma escultura em bronze do general Lee.
A reflexão do tio de Jean Louise nos convida à dúvida: a retirada da estátua, onde os grupos neonazistas se aglomeraram no sábado 12, foi de fato o principal motivo para esse grupo de intolerantes ter ido a público para gritar “white lives matter”, enquanto incendiavam tochas em homenagem à Ku Klux Klan?
Segundo a tese do tio Jack, esses grupos recrutam adeptos com facilidade nos EUA não apenas por convencê-los da inferioridade do negros, mas por seduzi-los com a promessa de uma identidade política favorável ao brancos do Sul do país. Para muitos deles, diz o personagem, o governo federal não pode intervir na forma desses estados conduzirem suas relações, nas quais o preconceito é um elemento de coesão social. 
Sobre a ascensão social dos negros e de movimentos em defesa dos direitos civis como o NAACP, tio Jack resume: “Neste exato minuto, uma filosofia política estrangeira está sendo imposta ao Sul, e o Sul não está pronto para ela. Estamos nos vendo nas mesmas águas profundas “
Fossem apenas personagens do clássico “O Sol é Para Todos” (To Kill a Mockingbird), lançado no início da década de 1960, Jack, Jean Louise e seu pai, o advogado Atticus Finch, seriam eternizados como uma família branca moderna para os padrões de sua época e origem. O patrono Atticus consagrou-se na memória coletiva do país como aquele que enfrenta o preconceito de seus pares para defender Tom Robinson, um homem negro acusado injustamente. Não à toa, a obra tornou-se livro de cabeceira de muitos ativistas do movimento pelos direitos civis, integrado por grande parcela de brancos e universitários.
Vá, Coloque um Vigia foi escrito antes de O Sol é Para Todos, mas acabou deixado de lado por sua autora. Em 2015, quando Lee já estava em estado crítico de saúde, foi a público cercado de polêmicas e críticas à sua liberação. À parte os debates sobre a vontade e privacidade da escritora quanto à sua divulgação, o livro oferece uma contundente crítica social e complementa de forma valiosa o clássico da literatura norte-americana.
Harper Lee
Harper Lee, autora de 'O Sol é Para Todos' e 'Vá, Coloque um Vigia'
Ambientado nos anos 1930, O Sol é Para Todos põe luz sobre uma geração de brancos empobrecidos, também conhecidos como “white trash”. Sua condição material é semelhante à dos negros norte-americanos, mas o status social é distinto. Para acobertar um crime, um branco pobre de Maycomb, cidade fictícia do Alabama, acusa falsamente Tom Robinson de estupro. Apesar do esforço de Atticus, o acusador acaba bem-sucedido em sua investida. A seu favor, bastava sua palavra. Contra o acusado, a cor de sua pele. 
Em Vá, Coloque um Vigia, Harper Lee nos leva de volta a Maycomb 20 anos após os acontecimentos de O Sol é Para Todos. Jean Louise retorna em meio a um ressentimento racial enorme entre os habitantes brancos da cidade, que não admitem a “insolência” dos negros, agora capazes de dirigir carros em alta velocidade e responder negativamente a seus patrões. A influência da bandeira dos direitos civis revolta a elite da cidade, que passa a integrar ou apoiar a Klu Klux Klan.
A grande decepção de Jean Louise é descobrir que seu pai, um defensor incondicional da igualdade durante sua infância, curva-se aos supremacistas da cidade e passa a endossar o discurso de que os negros precisam “saber seu lugar”. Ao descontruir a sensibilidade social de Atticus, Vá, Coloque um Vigia nos entrega uma visão crua dos limites do racismo: um mesmo homem que é capaz de defender a inocência de um cidadão negro também pode negar sua afirmação social.
São os momentos de maior afirmação negra que costumam alimentar o ódio supremacista. Nos anos 1950 e 1960, a Klu Klux Klan reagia à política de inclusão em universidades, aos esforços de derrubar a segregação nos estados sulistas e à organização de minorias em movimentos de contestação. 
Os movimentos atuais estão alimentados por ódio semelhante há algum tempo. Os anos de Barack Obama produziram ressentimentos em parte da população branca empobrecida, que buscou em Donald Trump um representante de sua visão preconceituosa de mundo.
O presidente dos Estados Unidos ficou em silêncio após os atos que terminaram com ao menos três mortos e dezenas de feridos. Calcula, provavelmente, que grande parte do manifestantes foram também seus eleitores.
Na obra de Harper Lee, a revolta de Jean Louise ao ver seu pai alinhado com os supremacistas leva seu tio Jack a desenvolver sua teoria sobre a perene necessidade das elites sulistas em afirmar sua identidade patriótica enquanto espezinham as minorias.
O “exército de indivíduos” lutou pela escravidão na década de 1860. Na segunda metade do século XX, pela segregação em locais públicos. Em 2016, elegeu Donald Trump em resposta ao primeiro presidente negro da história do país. Em menor número, hoje marcha em Charlottesville, supostamente em defesa do general Lee, mas com o objetivo final de afirmar sua identidade: “white lives matter”, gritam eles.
“Certa como o tempo, a história está se repetindo”, diz o tio Jack a Jean Louise, antes de completar, maliciosamente. “A história é o último lugar para se procurar lições.”

por Miguel Martins — publicado 14/08/2017 12h33

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

DIA INTERNACIONAL DA SÍNDROME DE DOWN

Professora Débora, que tem síndrome de down, à desembargadora: Ensino às crianças “que tenham respeito pelas outras” Débora Araújo Seabra de Moura tornou-se a primeira professora brasileira com síndrome de down. Ela já publicou um livro, Débora Conta Histórias, que traz fábulas sobre o direito de ser diferente. Segundo a Tribuna do Norte, faz 13 anos ela trabalha como professora assistente na Escola Doméstica, de Natal. Foi a notícia de que o Brasil tinha professora com síndrome de down que levou a desembargadora Marília Castro Neves, do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, a fazer uma postagem num grupo fechado do Facebook. Marília é a mesma que escreveu que a vereadora Marielle Franco, assassinada no Rio, era “engajada com bandidos” e teria sido eleita pelo Comando Vermelho. Depois disso, internautas foram atrás de outras postagens de Marília. E encontraram esta, a um grupo fechado do Facebook:  “Voltando para a casa e, porque vivemos em uma democracia, no rádio a única opção é a V…

PODERIA SER EM CAMPINA GRANDE!!

Onde foi que eu errei?CARLOS MOTTA SEX, 05/10/2018 - 18:47 Onde foi que eu errei?, por Carlos Motta Posso estar enganado, mas acho que uns 80% dos meus amigos, colegas e conhecidos de infância, adolescência e de jovem adulto da Jundiaí onde me criei, vão votar neste domingo no candidato presidencial que odeia homossexuais, negros e nordestinos, faz apologia à tortura, glorifica a ditadura militar, despreza a cultura e as artes, é a favor da venda indiscriminada de armas de fogo, pensa que o sexo feminino é inferior ao masculino, quis cometer atentados terroristas quando servia ao Exército, e enriqueceu, de modo mais que suspeito, depois que virou político, não apenas a si próprio, como a toda a sua família. Jornais de todo o mundo civilizado têm alertado que a sua vitória representaria um gigantesco retrocesso ao processo civilizatório brasileiro e à incipiente democracia que o país vive. Desde jovem, talvez sob a influência de meu pai, o saudoso capitão Accioly, carrego uma profunda o…

MUSEU: TRAGÉDIA ANUNCIADA

Em 2017, mais brasileiros foram ao Louvre, em Paris, do que ao Museu NacionalRafael BarifouseDa BBC News Brasil em São Paulo
Museu Nacional teve menos visitantes em 2017 do que o número de brasileiros que visitou o Museu do Louvre no mesmo ano. O Museu Nacional registrou 192 mil visitantes em 2017, segundo informou a assessoria de imprensa da instituição à BBC News Brasil. No mesmo período, 289 mil brasileiros passaram pelo Louvre, em Paris, na França, uma das principais instituições de arte do mundo, segundo registros do próprio museu. O número de brasileiros que visitaram o museu francês é 50,5% superior à visitação total da instituição brasileira.  O Louvre teve um aumento de 82% do número de visitantes do Brasil no ano passado em relação a 2016. Foi o segundo maior crescimento de público de um determinado país - os russos lideram com 92%. Os brasileiros foram a terceira nacionalidade que mais visitou a instituição, atrás apenas de americanos e chineses. Representaram 3,5% dos 8…