Pular para o conteúdo principal

PARA O BRASIL É QUE NÃO!!

No que e para quem o golpe deu certo

Há uma lógica nessa loucura, citando Shakespeare, para falar do governo do golpe. De um certo ponto de vista, tudo parece uma loucura. O país foi mergulhado numa depressão econômica profunda, o patrimônio público está sendo rifado a qualquer preço, os direitos da grande maioria da população estão sendo abolidos, o prestígio externo do país nunca foi tão baixo, o governo está assediado por acusações de corrupção para grande parte dos seus membros, o apoio do governo se aproxima rapidamente do zero, a imagem do presidente é a pior possível, suas gafes se sucedem diariamente.
Mas embora muita gente prognostique, semanalmente, a queda do governo, ele sobrevive. E não apenas por inércia, embora esta conte. Porque ele está cumprindo com o programa pelo qual o MT se candidatou a assumir a presidência.
Mas antes mesmo de abordar os retrocessos que estão sendo colocados em prática pelo governo surgido do golpe, está o primeiro objetivo, que uniu toda a direita: tirar o PT do governo. Nisso o golpe deu certo, pelo menos até aqui, enquanto tenta impedir o retorno de Lula ao governo. Mas teve outra vitória política importante também: a criminalização do PT no bojo da campanha pelo golpe, assim como, na mesma operação ideológica, a desqualificação do Estado, como espaço supostamente privilegiado de corrupção – de que a Petrobras seria uma parte importante.
Além dessa mudança no panorama ideológico, estão as medidas de acelerado retrocesso, pelas quais o governo paga o preço caro da impopularidade, mas não deixa de avançar, atendendo às demandas do capital financeiro e da grande mídia. Os retrocessos nos direitos sociais, com o ajuste fiscal reorganizando radicalmente o gasto público, penaliza fortemente quem o governo quer fazer pagar o preço pela crise: os trabalhadores e o conjunto da população pobre. O conjunto de iniciativas antipopulares compõe um pacote que eleva o exploração do trabalho, deixa mais vulneráveis ainda os trabalhadores para as negociações salariais, pressionadas também pelo desemprego recorde.
A retirada da rede de proteção social agudiza fortemente a crise social, com os cenários das nossas cidades de novo povoados por grande quantidade de pessoas e famílias inteiras dormindo e vivendo nas ruas. Com o retorno das crianças vendendo balas nas esquinas. A desigualdade aumenta, assim como a exclusão social e o abandono de camadas cada vez maiores da população.
Por outro lado, o patrimônio público, em particular o da Petrobras, vai sendo liquidado a preços vis para empresas estrangeiras, ao mesmo tempo que se destrói a indústria naval, terminando com o conteúdo local e importando plataformas, ao invés de fabricá-las aqui.
O resultado é catastrófico para a massa da população e para todo o país. Para as condições de vida da população e para o lugar do Brasil no mundo.
Mas a lógica dessa loucura é que há quem ganhe com tudo isso. Aqui dentro, ganham sobretudo os bancos privados – que contam a seu favor também com o enfraquecimento dos bancos públicos. Lá fora, ganham os EUA, com o enfraquecimento da presença autônoma do Brasil no mundo e a passagem a uma política de muito baixo perfil e de subserviência. Se desmontam as políticas de alianças na América Latina e com os Brics, que tanto atemorizam aos EUA.
O golpe deu certo para a direita brasileira, derrotada quatro vezes nas urnas, mas que encontrou a via do golpe para voltar ao governo. Deu certo para os inimigos externos de um Brasil independente e soberano.
Perdem o país, o povo brasileiro, a democracia, o Estado, os direitos dos trabalhadores, a soberania externa. É uma loucura para a grande maioria e uma lógica cruel e seletiva para a ínfima minoria dos mais ricos

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

DIA INTERNACIONAL DA SÍNDROME DE DOWN

Professora Débora, que tem síndrome de down, à desembargadora: Ensino às crianças “que tenham respeito pelas outras” Débora Araújo Seabra de Moura tornou-se a primeira professora brasileira com síndrome de down. Ela já publicou um livro, Débora Conta Histórias, que traz fábulas sobre o direito de ser diferente. Segundo a Tribuna do Norte, faz 13 anos ela trabalha como professora assistente na Escola Doméstica, de Natal. Foi a notícia de que o Brasil tinha professora com síndrome de down que levou a desembargadora Marília Castro Neves, do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, a fazer uma postagem num grupo fechado do Facebook. Marília é a mesma que escreveu que a vereadora Marielle Franco, assassinada no Rio, era “engajada com bandidos” e teria sido eleita pelo Comando Vermelho. Depois disso, internautas foram atrás de outras postagens de Marília. E encontraram esta, a um grupo fechado do Facebook:  “Voltando para a casa e, porque vivemos em uma democracia, no rádio a única opção é a V…

PODERIA SER EM CAMPINA GRANDE!!

Onde foi que eu errei?CARLOS MOTTA SEX, 05/10/2018 - 18:47 Onde foi que eu errei?, por Carlos Motta Posso estar enganado, mas acho que uns 80% dos meus amigos, colegas e conhecidos de infância, adolescência e de jovem adulto da Jundiaí onde me criei, vão votar neste domingo no candidato presidencial que odeia homossexuais, negros e nordestinos, faz apologia à tortura, glorifica a ditadura militar, despreza a cultura e as artes, é a favor da venda indiscriminada de armas de fogo, pensa que o sexo feminino é inferior ao masculino, quis cometer atentados terroristas quando servia ao Exército, e enriqueceu, de modo mais que suspeito, depois que virou político, não apenas a si próprio, como a toda a sua família. Jornais de todo o mundo civilizado têm alertado que a sua vitória representaria um gigantesco retrocesso ao processo civilizatório brasileiro e à incipiente democracia que o país vive. Desde jovem, talvez sob a influência de meu pai, o saudoso capitão Accioly, carrego uma profunda o…

MUSEU: TRAGÉDIA ANUNCIADA

Em 2017, mais brasileiros foram ao Louvre, em Paris, do que ao Museu NacionalRafael BarifouseDa BBC News Brasil em São Paulo
Museu Nacional teve menos visitantes em 2017 do que o número de brasileiros que visitou o Museu do Louvre no mesmo ano. O Museu Nacional registrou 192 mil visitantes em 2017, segundo informou a assessoria de imprensa da instituição à BBC News Brasil. No mesmo período, 289 mil brasileiros passaram pelo Louvre, em Paris, na França, uma das principais instituições de arte do mundo, segundo registros do próprio museu. O número de brasileiros que visitaram o museu francês é 50,5% superior à visitação total da instituição brasileira.  O Louvre teve um aumento de 82% do número de visitantes do Brasil no ano passado em relação a 2016. Foi o segundo maior crescimento de público de um determinado país - os russos lideram com 92%. Os brasileiros foram a terceira nacionalidade que mais visitou a instituição, atrás apenas de americanos e chineses. Representaram 3,5% dos 8…