Pular para o conteúdo principal

OSCAR 2017: LION




Lion - Uma Jornada Para Casa

História ‘de cinema’
por 
Lion - Uma Jornada Para Casa



Uma cena resume o clima geral de Lion (sem spoiler): Saroo (Dev Patel) e Lucy (Rooney Mara) estão se conhecendo. Pinta um clima, os dois começam a ficar próximos e, uma bela noite, na pista de dança de uma festa, eles finalmente se beijam. Rapidamente, a música animada do DJ dá lugar a uma trilha suave, de cordas, sentimental. Não há espaço para a diversão no filme. Você tem que se emocionar.

Lion - Foto
Lion é o típico caça-Oscar: suntuoso na forma, melodramático, baseado numa história real de superação (que denuncia uma mazela social), com Nicole Kidman sussurrando (em uma posição sofredora), e uma produção dos irmãos Weinstein – mais lembrados do que Deus nos discursos de agradecimento do prêmio máximo da indústria de Hollywood. Apelativo? Sim. Mas o que aconteceu com Saroo Brierley é tão incrível, que fica difícil não se emocionar – e o estreante Garth Davis o conta da maneira mais bonita, plasticamente, possível.  



O roteiro de Luke Davies (Life - Um Retrato de James Dean) se baseia na autobiografia do indiano, “A Long Way Home”. No livro, ele conta como, aos cinco anos de idade, foi separado acidentalmente do irmão, na cidade em que morava, no interior da Índia e foi parar, “sem pai, nem mãe”, na longínqua e caótica Calcutá. Lá, depois de comer o pão que o diabo amassou (ou simplesmente não comer), acabou num orfanato e teve a sorte de ser adotado por uma família da Tasmânia, ilha da Austrália. Vinte e cinco anos depois, Saroo é atormentado por um passado do qual mal se lembra. E resolve ter com a família biológica novamente (“não há um dia sequer que meu irmão não chame o meu nome”, ele supõe), com o advento do Google Earth.


Lion - Foto
O filme se divide em dois. Até Dev Patel assumir como protagonista na vida adulta do personagem, há uma looonga abertura (em torno de 40 minutos), que se propõe a apresentar os percalços pelos quais o pequeno (o expressivo Sunny Pawar, digno de uma indicação ao Oscar) passa quando se vê perdido. O drama é pesado, e não traz nenhuma novidade, necessariamente, em relação ao ambiente de pobreza extrema do país asiático – "denúncia", inclusive, explorada por Hollywood recentemente, com o mesmo Patel no papel principal (Quem Quer Ser um Milionário?)



Ao ingressar na faculdade e ter contato com outros descendentes de indianos é que a pulga é plantada atrás da orelha morena de Saroo – o que é um bom gancho, afinal, em tese, ele não teria porque se incomodar com a situação, uma vez que a sua inserção no seio da nova família se dá da melhor forma possível (ao contrário do irmão, também adotado, um contraponto que sobra, mal conduzido pela produção). É aí que ele começa a montar um esquema de cálculos, planilhas, mapas e visitas ao serviço ao serviço do Google.
Estigmatizado como estrangeiro na indústria americana do cinema, o ator pelo menos não precisa forçar o sotaque no filme – e, no fim das contas, convence. (A grande surpresa é descobrir que Rooney Mara, que não foge de um registro dramático, consegue sorrir – e até dançar!)
Tanto ao retratar a infância quanto a vida adulta, o filme traz uma repetição de ações que prejudicam a narrativa – subestimam a inteligência do espectador depois da enésima vez em que Saroo gira o globo na tela do computador (ok, já tínhamos entendido). Além disso, a apresentação cronológica não deixa lacunas, nenhum espaço para a imaginação da plateia. E, claro, usada de forma onipresente, a trilha tem um potencial enorme para irritar.
Apesar de todo excesso, Lion trata-se – e os corações insensíveis precisam dar uma licença aqui – do que pode ser chamado de uma verdadeira história “de cinema”, que a direção de Garth Davis aproveita da melhor maneira que pôde, com momentos de delicadeza e poéticos, até, ajudado (e muito) bela fotografia de Greig Fraser (A Hora Mais Escura) – que explora planos aéreos tanto da Índia quanto da ilha australiana. Os Weinstein estão reaprendendo a usar os algoritmos da corrida do Oscar.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

DIA INTERNACIONAL DA SÍNDROME DE DOWN

Professora Débora, que tem síndrome de down, à desembargadora: Ensino às crianças “que tenham respeito pelas outras” Débora Araújo Seabra de Moura tornou-se a primeira professora brasileira com síndrome de down. Ela já publicou um livro, Débora Conta Histórias, que traz fábulas sobre o direito de ser diferente. Segundo a Tribuna do Norte, faz 13 anos ela trabalha como professora assistente na Escola Doméstica, de Natal. Foi a notícia de que o Brasil tinha professora com síndrome de down que levou a desembargadora Marília Castro Neves, do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, a fazer uma postagem num grupo fechado do Facebook. Marília é a mesma que escreveu que a vereadora Marielle Franco, assassinada no Rio, era “engajada com bandidos” e teria sido eleita pelo Comando Vermelho. Depois disso, internautas foram atrás de outras postagens de Marília. E encontraram esta, a um grupo fechado do Facebook:  “Voltando para a casa e, porque vivemos em uma democracia, no rádio a única opção é a V…

PODERIA SER EM CAMPINA GRANDE!!

Onde foi que eu errei?CARLOS MOTTA SEX, 05/10/2018 - 18:47 Onde foi que eu errei?, por Carlos Motta Posso estar enganado, mas acho que uns 80% dos meus amigos, colegas e conhecidos de infância, adolescência e de jovem adulto da Jundiaí onde me criei, vão votar neste domingo no candidato presidencial que odeia homossexuais, negros e nordestinos, faz apologia à tortura, glorifica a ditadura militar, despreza a cultura e as artes, é a favor da venda indiscriminada de armas de fogo, pensa que o sexo feminino é inferior ao masculino, quis cometer atentados terroristas quando servia ao Exército, e enriqueceu, de modo mais que suspeito, depois que virou político, não apenas a si próprio, como a toda a sua família. Jornais de todo o mundo civilizado têm alertado que a sua vitória representaria um gigantesco retrocesso ao processo civilizatório brasileiro e à incipiente democracia que o país vive. Desde jovem, talvez sob a influência de meu pai, o saudoso capitão Accioly, carrego uma profunda o…

MUSEU: TRAGÉDIA ANUNCIADA

Em 2017, mais brasileiros foram ao Louvre, em Paris, do que ao Museu NacionalRafael BarifouseDa BBC News Brasil em São Paulo
Museu Nacional teve menos visitantes em 2017 do que o número de brasileiros que visitou o Museu do Louvre no mesmo ano. O Museu Nacional registrou 192 mil visitantes em 2017, segundo informou a assessoria de imprensa da instituição à BBC News Brasil. No mesmo período, 289 mil brasileiros passaram pelo Louvre, em Paris, na França, uma das principais instituições de arte do mundo, segundo registros do próprio museu. O número de brasileiros que visitaram o museu francês é 50,5% superior à visitação total da instituição brasileira.  O Louvre teve um aumento de 82% do número de visitantes do Brasil no ano passado em relação a 2016. Foi o segundo maior crescimento de público de um determinado país - os russos lideram com 92%. Os brasileiros foram a terceira nacionalidade que mais visitou a instituição, atrás apenas de americanos e chineses. Representaram 3,5% dos 8…