Pular para o conteúdo principal

À FOLHA O QUE É DA FOLHA!!

Gregório Duvivier: Dona Folha, Hitler ganhou terreno por causa de editoriais muito parecidos com o seu

05 de setembro de 2016 às 10h59

otavio-frias-filho
Dona Folha, tá difícil te defender


Em seu editorial na sexta (2), a senhora diz que se o governo não souber “reprimir os fanáticos da violência”, o Brasil corre o risco de se transformar numa ditadura assim como aconteceu na “Alemanha dos anos 30″. À polícia do Estado de S. Paulo, que já não é famosa pela gentileza, a senhora recomenda que “reprima” mais duramente os “grupelhos extremistas” – porque senão os baderneiros vão tomar o poder e transformar o Brasil na Alemanha nazista.
Concordo que existem muitas razões pra ter medo. Mas não pelas mesmas razões. O vampiro que nos governa acaba de recriar o Gabinete de Segurança Institucional. O ministro da Justiça pede menos pesquisa e mais armamento. Uma jovem perde um olho atacada pela polícia. Uma presidenta democraticamente eleita é derrubada porque teria cometido um crime, mas não perde os direitos políticos porque afinal ela não cometeu crime nenhum. O Senado que a derrubou por causa de créditos suplementares muda a lei em relação aos créditos no dia seguinte à sua queda.
Concordo quando a senhora diz que uma ditadura se avizinha, mas discordo que são os “black bloc” que vão tomar o poder. Dona Folha, a senhora já conheceu um “black bloc”? “Black blocs” em geral têm 12 anos, espinhas e mochila cheia de roupa preta e remédios pra acne.
Não sei se por ignorância ou cinismo, a senhora ignorou o fato de a Alemanha nazista não ter sido criada pelos “fanáticos da violência”. Como bem lembrou Bruno Torturra, a Alemanha nazista se consolida quando Hitler culpa os tais baderneiros pelo incêndio do Reichstag e cria um Estado de exceção com o objetivo de “reprimir baderneiros” – igualzinho a senhora tá pedindo.
Quando o Reichstag pegou fogo, os jornais pediram medidas de emergência contra os “baderneiros” em editoriais muito parecidos com o seu. Hitler não teria ganhado terreno sem uma profusão de jornais pedindo “mais repressão aos grupelhos” – jornais estes que, vale lembrar, depois foram proibidos de circular.
O golpe de 64 não foi obra do “extremismo”, mas daqueles que alegavam querer combatê-lo. Quem instaura a ditadura não são os baderneiros, são os apavorados. Só há golpe quando há medo. Quando a senhora contribui com o medo, a senhora contribui com o golpe.
Um jornal é do tamanho dos inimigos dele. Quando a senhora pede maior repressão a adolescentes desarmados, se alinha com o mais forte e faz vista grossa pra truculência. Jornalismo, pra mim, era o contrário.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

DIA INTERNACIONAL DA SÍNDROME DE DOWN

Professora Débora, que tem síndrome de down, à desembargadora: Ensino às crianças “que tenham respeito pelas outras” Débora Araújo Seabra de Moura tornou-se a primeira professora brasileira com síndrome de down. Ela já publicou um livro, Débora Conta Histórias, que traz fábulas sobre o direito de ser diferente. Segundo a Tribuna do Norte, faz 13 anos ela trabalha como professora assistente na Escola Doméstica, de Natal. Foi a notícia de que o Brasil tinha professora com síndrome de down que levou a desembargadora Marília Castro Neves, do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, a fazer uma postagem num grupo fechado do Facebook. Marília é a mesma que escreveu que a vereadora Marielle Franco, assassinada no Rio, era “engajada com bandidos” e teria sido eleita pelo Comando Vermelho. Depois disso, internautas foram atrás de outras postagens de Marília. E encontraram esta, a um grupo fechado do Facebook:  “Voltando para a casa e, porque vivemos em uma democracia, no rádio a única opção é a V…

PODERIA SER EM CAMPINA GRANDE!!

Onde foi que eu errei?CARLOS MOTTA SEX, 05/10/2018 - 18:47 Onde foi que eu errei?, por Carlos Motta Posso estar enganado, mas acho que uns 80% dos meus amigos, colegas e conhecidos de infância, adolescência e de jovem adulto da Jundiaí onde me criei, vão votar neste domingo no candidato presidencial que odeia homossexuais, negros e nordestinos, faz apologia à tortura, glorifica a ditadura militar, despreza a cultura e as artes, é a favor da venda indiscriminada de armas de fogo, pensa que o sexo feminino é inferior ao masculino, quis cometer atentados terroristas quando servia ao Exército, e enriqueceu, de modo mais que suspeito, depois que virou político, não apenas a si próprio, como a toda a sua família. Jornais de todo o mundo civilizado têm alertado que a sua vitória representaria um gigantesco retrocesso ao processo civilizatório brasileiro e à incipiente democracia que o país vive. Desde jovem, talvez sob a influência de meu pai, o saudoso capitão Accioly, carrego uma profunda o…

MUSEU: TRAGÉDIA ANUNCIADA

Em 2017, mais brasileiros foram ao Louvre, em Paris, do que ao Museu NacionalRafael BarifouseDa BBC News Brasil em São Paulo
Museu Nacional teve menos visitantes em 2017 do que o número de brasileiros que visitou o Museu do Louvre no mesmo ano. O Museu Nacional registrou 192 mil visitantes em 2017, segundo informou a assessoria de imprensa da instituição à BBC News Brasil. No mesmo período, 289 mil brasileiros passaram pelo Louvre, em Paris, na França, uma das principais instituições de arte do mundo, segundo registros do próprio museu. O número de brasileiros que visitaram o museu francês é 50,5% superior à visitação total da instituição brasileira.  O Louvre teve um aumento de 82% do número de visitantes do Brasil no ano passado em relação a 2016. Foi o segundo maior crescimento de público de um determinado país - os russos lideram com 92%. Os brasileiros foram a terceira nacionalidade que mais visitou a instituição, atrás apenas de americanos e chineses. Representaram 3,5% dos 8…