Pular para o conteúdo principal

VASCO DA GAMA.

118 anos de Vasco

  image

Mexia-se muito com o português naquela época. E só quem a viveu pode fazer uma idéia do papel que representou o Vasco na identificação completa do brasileiro e do português. Foi através do Vasco que o brasileiro conheceu melhor o português. E conhecendo aprendeu a gostar dele, aberto, franco, generoso, lusidíaco, se me permitem o termo [...] O que o português fez no Vasco cabia numa página dos Lusíadas. Do campinho da rua Moras e Silva, o Vasco deu um salto para São Januário. Gozado, o português sentiu despertar nele, invencível, a velha fibra lusitana.
(Mário Filho. Revista Manchete, agosto de 1956)

No dia de hoje comemoramos 118 anos do Club de Regatas Vasco da Gama. Na atualidade, o clube desenvolve variadas práticas esportivas, com acesso a todos os gêneros, diferentes faixas etárias e a indivíduos com as mais diversas condições sociais. Dentre os múltiplos esportes praticados, podemos citar o remo, esporte-fundador da entidade, o futebol, o atletismo, o futsal, o futebol americano, o futebol de praia (beach soccer), o basquete, etc.
Na tarde de 21 de agosto de 1898, os 62 idealistas reunidos na Rua da Saúde n. 293 talvez não imaginassem que o clube que estavam a fundar pudesse alcançar o gigantismo ostentado na contemporaneidade, uma instituição cujas inúmeras glórias alcançadas ajudaram a construir uma legião de adeptos (sócios e torcedores) que chegam ao patamar de milhões.
No apagar das luzes do século XIX, impulsionados pelos ares da modernidade, pelo desejo de praticarem um esporte símbolo dos novos tempos, homens ligados à chamada classe caixeiral, que na sua maioria trabalhavam no comércio do centro da Cidade do Rio de Janeiro, decidiram criar um novo clube para a prática do remo, eis que surgia o Club de Regatas Vasco da Gama.
As comemorações do IV Centenário da Descoberta do Caminho Marítimo para as Índias influenciaram no nome da nova instituição náutica e nos seus símbolos, principalmente, o maior deles, a cruz que os fundadores do Clube deram ao Vasco. Esta que fora inspirada naquelas presentes nas naus comandada pelos portugueses, como o almirante Vasco da Gama, no período das Grandes Navegações. A Cruz de Cristo, que se popularizou entre os vascaínos pela nomenclatura "Cruz de Malta", foi instituída como o primeiro e grande emblema do Clube.
Necessitando organizar-se melhor após o seu nascedouro, o Vasco começou a competir no ano seguinte, em 1899. Como demonstração de sua força, logo em seu ano de estreia veio a primeira vitória em provas, com a Volúvel, no primeiro páreo e ainda um segundo lugar com a Victória, uma baleeira a quatro remos. Embora a prova não valesse para o campeonato, chamou a atenção de todos o feito dos vascaínos.
Os anos se passaram e as conquistas do Vasco foram se acumulando. Em 1904, vieram os dois primeiros troféus, a Prova Clássica Sul-América e a Prova Clássica Jardim Botânico. Logo após os seus primeiros anos de fundação, o clube tornou-se bicampeão de remo da cidade em 1905 e 1906, demonstrando a sua grandeza e realizando um feito que outros clubes mais antigos não haviam conseguido.
Um grandioso tricampeonato em 1912, 1913 e 1914 veio consolidar o Vasco como o maior clube náutico do Rio de Janeiro e um gigante do remo no Brasil. Nessa época, a ginástica e o tiro já eram praticados pelos sócios vascaínos. Acompanhando uma tendência que se espalhava pela cidade, crescia cada vez mais a influência do futebol entre o quadro associativo vascaíno e muitos sócios começavam a solicitar a inserção desta prática no clube, fato que viria a ser consumado a partir de 26 de novembro de 1915.
Na "Era do futebol", o Vasco escreveu de uma vez por todas o seu nome no esporte mundial. Em 1923, tornou-se o primeiro clube carioca a ser campeão com jogadores negros e brancos de baixa condição social. Negando-se em 1924 a excluir seus atletas a pedido da AMEA, que congregava os clubes das elites cariocas, lutou pela democratização do futebol no Brasil. Em 21 de abril de 1927, inaugurou o então maior estádio da América do Sul, calando os críticos e os defensores de um futebol exclusivamente voltado para homens brancos de "boa família".
O Estádio de São Januário, para além do futebol, tornou-se um patrimônio nacional ao ser sede de eventos culturais e políticos que marcaram a vida do país.  No estádio vascaíno, Getúlio Vargas assinou a lei que instituiu o Salário Mínimo, anunciou a instalação da Justiça do Trabalho, pronunciou discursos no Dia do Trabalho (1º de Maio) e no Dia da independência (07 de Setembro). Geralmente, na comemoração da independência, o maestro Heitor Villa Lobos regia corais orfeônicos com milhares de jovens e crianças. Além de Getúlio, a Tribuna de Honra teve a presença de outras figuras importantes da política nacional, como Luiz Carlos Prestes, Juscelino Kubitschek, Eurico Gaspar Dutra, João Goulart e outros. Na "casa vascaína" também foram realizados desfiles de escolas de samba e shows de bandas internacionais.
Na década de 40 e 50, o Vasco montou uma das melhores equipes da história do futebol, o Expresso da Vitória. Os jogadores vascaínos constituíam a base da seleção brasileira, e o Clube era o maior expoente do futebol nacional, posição ratificada com a conquista do seu primeiro título continental, o Campeonato Sul-Americano de Clubes Campeões (Chile, 1948).
Após a Segunda Guerra, a Fifa voltou a organizar uma Copa do Mundo, cuja sede foi no Brasil. No intuito de oferecer um grande palco para o evento, construiu-se o maior estádio do mundo à época, o Maracanã. O Vasco sagrou-se o primeiro campeão carioca no estádio, ao vencer o campeonato de 1950.
                A seleção brasileira contou com a ajuda vital dos vascaínos para conquistar a sua primeira Copa do Mundo. Para o Mundial de 1958, o Vasco cedeu ao Brasil o zagueiro e capitão Bellini, o zagueiro Orlando Peçanha e o atacante Vavá. Este último foi o autor dos dois primeiros gols brasileiros na final contra a Suécia, virando o jogo em prol da seleção, quando esta perdia por 1 a 0.
                No ano do seu centenário, 1998, o Clube conquistou outro campeonato continental, ao levar para casa a Copa Libertadores. Dentre os vários títulos e conquistas no "esporte bretão", destacamos os 4 brasileiros, 1 Copa do Brasil e 24 títulos do Campeonato Carioca (sendo seis deles invictos: 1924, 1945, 1947, 1949, 1992, 2016; e um tricampeonato em 1992, 1993, 1994). Ainda citamos os torneios intercontinentais, como o Torneio Internacional Rivadávia Correa Meyer (1953), Torneio de Paris (1957), o Troféu Teresa Herrera (1957) e o Torneio Ramón de Carranza (1987, 1988 e 1989).
                Para além dos gramados, quadras, piscinas e lagoas, o grande diferencial do Vasco é o fato de, por vezes, suas ações ultrapassarem o espaço reservado da prática esportiva em si e alcançarem as esferas sociais. A história do clube, em diferentes períodos, se entrelaça com a própria história do país e dialoga com algumas reivindicações das camadas menos favorecidas da sociedade.
                No decorrer desses 118 anos, nós vascaínos, cantamos, rimos, choramos e comemoramos com o nosso Vasco. Esperamos que muitas outras glórias estejam por vir para nossa amada e centenária entidade, assim, engrandecendo ainda mais a riquíssima história do Club de Regatas Vasco da Gama.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

DIA INTERNACIONAL DA SÍNDROME DE DOWN

Professora Débora, que tem síndrome de down, à desembargadora: Ensino às crianças “que tenham respeito pelas outras” Débora Araújo Seabra de Moura tornou-se a primeira professora brasileira com síndrome de down. Ela já publicou um livro, Débora Conta Histórias, que traz fábulas sobre o direito de ser diferente. Segundo a Tribuna do Norte, faz 13 anos ela trabalha como professora assistente na Escola Doméstica, de Natal. Foi a notícia de que o Brasil tinha professora com síndrome de down que levou a desembargadora Marília Castro Neves, do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, a fazer uma postagem num grupo fechado do Facebook. Marília é a mesma que escreveu que a vereadora Marielle Franco, assassinada no Rio, era “engajada com bandidos” e teria sido eleita pelo Comando Vermelho. Depois disso, internautas foram atrás de outras postagens de Marília. E encontraram esta, a um grupo fechado do Facebook:  “Voltando para a casa e, porque vivemos em uma democracia, no rádio a única opção é a V…

PODERIA SER EM CAMPINA GRANDE!!

Onde foi que eu errei?CARLOS MOTTA SEX, 05/10/2018 - 18:47 Onde foi que eu errei?, por Carlos Motta Posso estar enganado, mas acho que uns 80% dos meus amigos, colegas e conhecidos de infância, adolescência e de jovem adulto da Jundiaí onde me criei, vão votar neste domingo no candidato presidencial que odeia homossexuais, negros e nordestinos, faz apologia à tortura, glorifica a ditadura militar, despreza a cultura e as artes, é a favor da venda indiscriminada de armas de fogo, pensa que o sexo feminino é inferior ao masculino, quis cometer atentados terroristas quando servia ao Exército, e enriqueceu, de modo mais que suspeito, depois que virou político, não apenas a si próprio, como a toda a sua família. Jornais de todo o mundo civilizado têm alertado que a sua vitória representaria um gigantesco retrocesso ao processo civilizatório brasileiro e à incipiente democracia que o país vive. Desde jovem, talvez sob a influência de meu pai, o saudoso capitão Accioly, carrego uma profunda o…

MUSEU: TRAGÉDIA ANUNCIADA

Em 2017, mais brasileiros foram ao Louvre, em Paris, do que ao Museu NacionalRafael BarifouseDa BBC News Brasil em São Paulo
Museu Nacional teve menos visitantes em 2017 do que o número de brasileiros que visitou o Museu do Louvre no mesmo ano. O Museu Nacional registrou 192 mil visitantes em 2017, segundo informou a assessoria de imprensa da instituição à BBC News Brasil. No mesmo período, 289 mil brasileiros passaram pelo Louvre, em Paris, na França, uma das principais instituições de arte do mundo, segundo registros do próprio museu. O número de brasileiros que visitaram o museu francês é 50,5% superior à visitação total da instituição brasileira.  O Louvre teve um aumento de 82% do número de visitantes do Brasil no ano passado em relação a 2016. Foi o segundo maior crescimento de público de um determinado país - os russos lideram com 92%. Os brasileiros foram a terceira nacionalidade que mais visitou a instituição, atrás apenas de americanos e chineses. Representaram 3,5% dos 8…