Pular para o conteúdo principal

O CLUBE DOS TRINTA!!




Hoje eles já são senhores na casa dos 50. Mas marcaram época ao transformarem-se nos porta-vozes de uma geração que queria ser ouvida e ouvir. Era uma geração que não queria apenas ouvir Roberto Carlos, Gonzaguinha, Amelinha e Zizi Possi. Queria ouvi-los também. Mas só eles não bastavam. Esse ano Barão Vermelho, Kid Abelha, Titãs, Blitz e Paralamas do sucesso comemoram 30 anos do chamado “Rock dos anos 80”. Claro que o movimento é bem mais abrangente, envolve muitos outros bons artistas. Mas o ano de 1982 marca, de alguma forma, essas cinco bandas.
Foi em 1982 que o Barão Vermelho e a Blitz lançaram seus primeiros discos (não havia CD ainda), “Barão Vermelho” e “As aventuras da Blitz”, respectivamente. A Blitz estourou com o hit “Você não soube me amar”. Foi também nesse ano que Paralamas, Kid Abelha e Titãs fizeram seus primeiros shows. Correndo por fora, Eduardo Dussek, cantor revelado na MPB, lançou, também em 1982, o disco de rock “Cantando no Banheiro”, que reuniu o novato Léo Jaime e João pensa & Seus miquinhos Amestrados.
Entre os cantores individuais, Lulu Santos lançou, em 1982, seu primeiro LP solo, “Tempos modernos”, mas avisa que está fora “do barco das celebrações balzaquianas”. Lobão (ex-baterista da blitz), no mesmo anos, lança “Cena de cinema”, seu primeiro LP solo, mas diz que está concentrado na composição de um novo disco (“passado é passado”). Lembro que tinha 13 ou 14 anos quando comecei a ouvir uma banda chamada “Heróis da resistência”, liderada por Leoni, ex-Kid Abelha. Foi a partir dela que comecei a ouvir outras bandas desse movimento. Quem tem mais de 40 sabe do que estou falando...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

DIA INTERNACIONAL DA SÍNDROME DE DOWN

Professora Débora, que tem síndrome de down, à desembargadora: Ensino às crianças “que tenham respeito pelas outras” Débora Araújo Seabra de Moura tornou-se a primeira professora brasileira com síndrome de down. Ela já publicou um livro, Débora Conta Histórias, que traz fábulas sobre o direito de ser diferente. Segundo a Tribuna do Norte, faz 13 anos ela trabalha como professora assistente na Escola Doméstica, de Natal. Foi a notícia de que o Brasil tinha professora com síndrome de down que levou a desembargadora Marília Castro Neves, do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, a fazer uma postagem num grupo fechado do Facebook. Marília é a mesma que escreveu que a vereadora Marielle Franco, assassinada no Rio, era “engajada com bandidos” e teria sido eleita pelo Comando Vermelho. Depois disso, internautas foram atrás de outras postagens de Marília. E encontraram esta, a um grupo fechado do Facebook:  “Voltando para a casa e, porque vivemos em uma democracia, no rádio a única opção é a V…

PODERIA SER EM CAMPINA GRANDE!!

Onde foi que eu errei?CARLOS MOTTA SEX, 05/10/2018 - 18:47 Onde foi que eu errei?, por Carlos Motta Posso estar enganado, mas acho que uns 80% dos meus amigos, colegas e conhecidos de infância, adolescência e de jovem adulto da Jundiaí onde me criei, vão votar neste domingo no candidato presidencial que odeia homossexuais, negros e nordestinos, faz apologia à tortura, glorifica a ditadura militar, despreza a cultura e as artes, é a favor da venda indiscriminada de armas de fogo, pensa que o sexo feminino é inferior ao masculino, quis cometer atentados terroristas quando servia ao Exército, e enriqueceu, de modo mais que suspeito, depois que virou político, não apenas a si próprio, como a toda a sua família. Jornais de todo o mundo civilizado têm alertado que a sua vitória representaria um gigantesco retrocesso ao processo civilizatório brasileiro e à incipiente democracia que o país vive. Desde jovem, talvez sob a influência de meu pai, o saudoso capitão Accioly, carrego uma profunda o…

MUSEU: TRAGÉDIA ANUNCIADA

Em 2017, mais brasileiros foram ao Louvre, em Paris, do que ao Museu NacionalRafael BarifouseDa BBC News Brasil em São Paulo
Museu Nacional teve menos visitantes em 2017 do que o número de brasileiros que visitou o Museu do Louvre no mesmo ano. O Museu Nacional registrou 192 mil visitantes em 2017, segundo informou a assessoria de imprensa da instituição à BBC News Brasil. No mesmo período, 289 mil brasileiros passaram pelo Louvre, em Paris, na França, uma das principais instituições de arte do mundo, segundo registros do próprio museu. O número de brasileiros que visitaram o museu francês é 50,5% superior à visitação total da instituição brasileira.  O Louvre teve um aumento de 82% do número de visitantes do Brasil no ano passado em relação a 2016. Foi o segundo maior crescimento de público de um determinado país - os russos lideram com 92%. Os brasileiros foram a terceira nacionalidade que mais visitou a instituição, atrás apenas de americanos e chineses. Representaram 3,5% dos 8…