Pular para o conteúdo principal

O CAMPEONATO DE FUTEBOL ESTADUAL!!

Há quem não tolere os campeonatos estaduais de futebol. Dizem que apenas incham o calendário e que por isso deveriam ser substituidos pelos campeonatos regionais ou pela Copa do Brasil já no primeiro semestre. Argumentam que os estaduais são deficitários, não possuem público e sobrevivem graças a transmissão das partidas pela TV.  Eu discordo. O faço não apenas pelas eletrizantes partidas em muitos estaduais que tivemos no fim de semana, mas tb por acreditar que estes argumentos são próprios da interferência dos negócios de mkt e publicidade no mundo do futebol. Até concordo com a força da televisão em termos de rentabilidade p o time e q o público realmente tem caído nos estaduais e no brasileirão tb, só que os problemas não são apenas estes. O problemas são: a estrutura dos estádios, o preço dos ingressos, as federações exercendo seus arcaicos e podres poderes, a fórmula de disputa do campeonato mts vezes confusa e em parte a crônica esportiva que qd não é parcial, assume-se despreparada.  Refiro-me a crônica esportiva do Brasil e da Pb tb. Aqui na Pb observamos ser mais aflorado o papel da crônica no empenho árduo e sem fim pelo soerguimento de um clube de futebol da capital. Esquecem, esses cronistas-torcedores, que o futebol vive de rivalidade. A rivalidade hj em João Pessoa é alimentada pelos embates contra os times de Campina Grande ou por embates envolvendo clubes do eixo sul/sudeste. Em JP vc encontra torcedor até do Barcelona. Portanto, os estaduais devem prevalecer porque: são monumentos eregidos pela cultura do povo e sua manifesta possibilidade de perpetuação através do futebol, pq promove a integração entre centros urbanos e interior e acima de tudo, os estaduais fortalecem o local para implementar o global. O global não deve suplantar o local, mas a apenas fazer parte dele. Volto ao assunto analisando os estaduais paraibano e carioca.













































Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

DIA INTERNACIONAL DA SÍNDROME DE DOWN

Professora Débora, que tem síndrome de down, à desembargadora: Ensino às crianças “que tenham respeito pelas outras” Débora Araújo Seabra de Moura tornou-se a primeira professora brasileira com síndrome de down. Ela já publicou um livro, Débora Conta Histórias, que traz fábulas sobre o direito de ser diferente. Segundo a Tribuna do Norte, faz 13 anos ela trabalha como professora assistente na Escola Doméstica, de Natal. Foi a notícia de que o Brasil tinha professora com síndrome de down que levou a desembargadora Marília Castro Neves, do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, a fazer uma postagem num grupo fechado do Facebook. Marília é a mesma que escreveu que a vereadora Marielle Franco, assassinada no Rio, era “engajada com bandidos” e teria sido eleita pelo Comando Vermelho. Depois disso, internautas foram atrás de outras postagens de Marília. E encontraram esta, a um grupo fechado do Facebook:  “Voltando para a casa e, porque vivemos em uma democracia, no rádio a única opção é a V…

NÃO EU!!

Desigualdade social Mundo tem um novo bilionário a cada dois diaspor Deutsche Welle — publicado 22/01/2018 11h10 Segundo estudo da ONG Oxfam, no Brasil, cinco pessoas têm patrimônio equivalente à metade da população m seu relatório anual sobre a desigualdadedivulgado nesta segunda-feira (22/01), a Oxfam, ONG de ajuda humanitária presentes em 94 países, revelou que 82% da riqueza gerada no mundo em 2017 foram parar nas mãos de 1% da população mais rica. No relatório Recompensem o trabalho, não a riqueza, a Oxfam explicou que, em 2017, o 1% mais rico elevou o seu patrimônio em 762 bilhões de dólares (cerca de 2,5 trilhões de reais), o suficiente para acabar sete vezes com a miséria no mundo. A Comissão de Combate à Fome de Oxford apontou que metade da população mundial não ficou com qualquer parcela dessa riqueza.
Segundo a Oxfam, houve um aumento histórico no número debilionários no mundo: "atualmente existem 2.043 bilionários no mundo e 9 em cada 10 são homens". Também foi o…

MUSEU: TRAGÉDIA ANUNCIADA

Em 2017, mais brasileiros foram ao Louvre, em Paris, do que ao Museu NacionalRafael BarifouseDa BBC News Brasil em São Paulo
Museu Nacional teve menos visitantes em 2017 do que o número de brasileiros que visitou o Museu do Louvre no mesmo ano. O Museu Nacional registrou 192 mil visitantes em 2017, segundo informou a assessoria de imprensa da instituição à BBC News Brasil. No mesmo período, 289 mil brasileiros passaram pelo Louvre, em Paris, na França, uma das principais instituições de arte do mundo, segundo registros do próprio museu. O número de brasileiros que visitaram o museu francês é 50,5% superior à visitação total da instituição brasileira.  O Louvre teve um aumento de 82% do número de visitantes do Brasil no ano passado em relação a 2016. Foi o segundo maior crescimento de público de um determinado país - os russos lideram com 92%. Os brasileiros foram a terceira nacionalidade que mais visitou a instituição, atrás apenas de americanos e chineses. Representaram 3,5% dos 8…