Pular para o conteúdo principal

ANALISAR A CONJUNTURA É PRECISO.

Industry GiantANÁLISE DE CONJUNTURA

Quando a sociedade brasileira acompanha o desenrolar dos acontecimentos políticos, não basta acompanhar só pelos jornais. É necessário identificar os ingredientes, os atores, os interessados em jogo. Fazemos “análises” de conjuntura toda hora, sabendo, querendo ou não. Sair do emprego, entrar num partido, casar: tomamos decisões baseadas em uma avaliação da situação, vista sob a ótica de nosso interesse. Levamos em conta as informações que temos, fazemos hipóteses sobre os fatos, medimos a “força” ou o perigo de nossos eventuais “inimigos” e a partir desses conhecimentos tomamos decisões. AC é uma mistura de conhecimento e descoberta, é uma leitura especial da realidade. Não há AC neutra, desinteressada. A AC está sempre relacionada a uma visão do sentido.

CATEGORIAS PARA ANÁLISE

1)Acontecimentos: temos que distinguir o fato de acontecimento. Temos que distinguir acontecimentos segundo sua importância.
2)Cenários: são as ações da trama social e política onde se desenvolvem os espaços. O cenário de um conflito pode se deslocar das ruas para o parlamento, para os gabinetes ministeriais, para os bastidores.
3) Atores: ator social é quando alguém representa algo para a sociedade (grupo, classe, país).  Instituições também podem ser atores sociais: sindicato, partido, TV, igreja.
4) Relação de Forças: são as relações entre classes e grupos sociais. Podem ser de confronto, coexistência, cooperação. Sempre revelam relação de forças, domínio, igualdade e subordinação.

Ver o fio condutor dos acontecimentos. Nem sempre acontecem dentro da lógica determinada. Os processos são cheios de sentidos e dinâmicas que escapam ou não estão subordinados a determinações lógicas. Temos que procurar, pesquisar o encadeamento, a lógica, as articulações, os sentidos comuns dos acontecimentos.

Duas leituras da AC:

1) a partir da situação do poder dominante (lógica do poder)

2) a partir da situação dos movimentos sociais populares, classes subordinadas, oposição ao poder dominante.

Existe a complexidade e dificuldade de determinar relações de causalidade tipo unilinear, simples. Tudo é muito imprevisível em relação a ação política: sua existência, efeitos e causas. Falar da lógica da ação é falar de sua imprevisibilidade.

Categorias: “estratégia” e “tática”.
Estratégia: articulação, linhas de ação, conjunto de meios, de forças para realizar os “projetos “ mais globais de determinadas forças ou classes sociais.

Tática: meios e formas particulares, concretas de ação para estratégias determinadas.

Um acontecimento ou um conjunto de ações articuladas nem sempre tem uma tática ou parte de uma estratégia. Na sociedade o que acontece não tem a haver necessariamente com um plano estabelecido. Só as teorias conspirativas ou “estruturalistas”  da história acreditam nisso. A AC deveria  estar sempre aberta à descoberta de várias possibilidades de alternativas.

     SOUZA, Herbert (Betinho). Como se faz análise de conjuntura. 22.ed. Petrópolis :  Vozes 2001.
http://br.groups.yahoo.com/group/pvnc/message/2714

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

DIA INTERNACIONAL DA SÍNDROME DE DOWN

Professora Débora, que tem síndrome de down, à desembargadora: Ensino às crianças “que tenham respeito pelas outras” Débora Araújo Seabra de Moura tornou-se a primeira professora brasileira com síndrome de down. Ela já publicou um livro, Débora Conta Histórias, que traz fábulas sobre o direito de ser diferente. Segundo a Tribuna do Norte, faz 13 anos ela trabalha como professora assistente na Escola Doméstica, de Natal. Foi a notícia de que o Brasil tinha professora com síndrome de down que levou a desembargadora Marília Castro Neves, do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, a fazer uma postagem num grupo fechado do Facebook. Marília é a mesma que escreveu que a vereadora Marielle Franco, assassinada no Rio, era “engajada com bandidos” e teria sido eleita pelo Comando Vermelho. Depois disso, internautas foram atrás de outras postagens de Marília. E encontraram esta, a um grupo fechado do Facebook:  “Voltando para a casa e, porque vivemos em uma democracia, no rádio a única opção é a V…

PODERIA SER EM CAMPINA GRANDE!!

Onde foi que eu errei?CARLOS MOTTA SEX, 05/10/2018 - 18:47 Onde foi que eu errei?, por Carlos Motta Posso estar enganado, mas acho que uns 80% dos meus amigos, colegas e conhecidos de infância, adolescência e de jovem adulto da Jundiaí onde me criei, vão votar neste domingo no candidato presidencial que odeia homossexuais, negros e nordestinos, faz apologia à tortura, glorifica a ditadura militar, despreza a cultura e as artes, é a favor da venda indiscriminada de armas de fogo, pensa que o sexo feminino é inferior ao masculino, quis cometer atentados terroristas quando servia ao Exército, e enriqueceu, de modo mais que suspeito, depois que virou político, não apenas a si próprio, como a toda a sua família. Jornais de todo o mundo civilizado têm alertado que a sua vitória representaria um gigantesco retrocesso ao processo civilizatório brasileiro e à incipiente democracia que o país vive. Desde jovem, talvez sob a influência de meu pai, o saudoso capitão Accioly, carrego uma profunda o…

MUSEU: TRAGÉDIA ANUNCIADA

Em 2017, mais brasileiros foram ao Louvre, em Paris, do que ao Museu NacionalRafael BarifouseDa BBC News Brasil em São Paulo
Museu Nacional teve menos visitantes em 2017 do que o número de brasileiros que visitou o Museu do Louvre no mesmo ano. O Museu Nacional registrou 192 mil visitantes em 2017, segundo informou a assessoria de imprensa da instituição à BBC News Brasil. No mesmo período, 289 mil brasileiros passaram pelo Louvre, em Paris, na França, uma das principais instituições de arte do mundo, segundo registros do próprio museu. O número de brasileiros que visitaram o museu francês é 50,5% superior à visitação total da instituição brasileira.  O Louvre teve um aumento de 82% do número de visitantes do Brasil no ano passado em relação a 2016. Foi o segundo maior crescimento de público de um determinado país - os russos lideram com 92%. Os brasileiros foram a terceira nacionalidade que mais visitou a instituição, atrás apenas de americanos e chineses. Representaram 3,5% dos 8…